Avançar para o conteúdo principal

Visões distorcidas da realidade

Para quem não sabe eu fui, sou e sempre serei uma revoltada por natueza porque nunca me encaixei neste mundo onde impera a lei do rebanho, do graxismo, dos lambe-botas, das aparências, do politicamente correto, do concordar só para parecer bem e por aí fora. Confesso que, por vezes, me sinto como uma espécie de eremita isolada no meu próprio mundo, no qual felizmente tenho a companhia da minha alma gémea que tal como eu tem esta visão própria do mundo e da sociedade.

O que me irrita é quando as pessoas confundem a revolta com vitimização. Aí...alto e pára o baile! Não vamos misturar alhos com bugalhos porque nunca fui pessoa de me vitimizar por isto ou por aquilo...sempre aceitei cada provação, cada obstáculo, cada desilusão como uma aprendizagem interior que muito me enriqueceu e me transformou na pessoa que sou hoje. Não sou melhor nem pior do que ninguém...sou apenas eu! Vítimas são aqueles que apenas se queixam e lamentam sem nada fazerem para mudarem o rumo dos acontecimentos e, quem me conhece, sabe que nunca estarei de braços cruzados. Arregaço as mangas e vou para a luta, pois mesmo perdendo uma batalha sei que ainda posso vencer a guerra...aqui as minhas raízes vimaranenses e poveiros vêm ao de cima, e de que maneira! Não posso com injustiças, com desigualdades sociais, preconceitos, mexericos, falsidade, traições....e a escrita é um dos meus escapes para dizer tudo aquilo que me vai na alma.

Um dia destes alguém no meu facebook (por sinal uma pessoa que já trabalhou comigo) dizia para eu parar com tanta amargura e revolta...isto por força de um post que escrevi sobre como a vida pode ser madrasta para alguns...isso eu não admito porque ninguém calçou os meus sapatos, ninguém trilhou o meu caminho, ninguém contornou os obstáculos com que já me deparei, ninguém sabe das dificuldades que me trocaram as voltas, ninguém sabe do sufoco que eu e os meus já viveram, por isso, digo que cada um sabe da sua vida e ninguém tem autoridade moral para opinar sobre a vida dos outros sem saberem o que está por detrás dessa mesma revolta e não vitimização! Cada um sabe de si e Deus de todos! Quando não sabemos da realidade nua e crua mais vale estarmos calados como eu faço quando me deparo com desabafos semelhantes....tento dar força e fazer acreditar num novo amanhecer mas quem sou eu para criticar aquilo porque determinada pessoa passou ou está a passar? Não faço juízos de valor sem conhecimento de causa...isso nunca!

Sinto-me grata por tudo o que sou e pelo amor e felicidade que reinam no meu lar, o que nos tem ajudado nos últimos meses (já lá vai mais de um ano) a segurar o barco em pleno alto mar. Vibro com a conquista e alegria dos meus amigos, amo os meus animais, luto da forma como posso contra as injustiças e padrões estereotipados, não sou maria vai com as outras, se me virem de joelhos será apenas para rezar ou ajudar um amigo a levantar-se, e não abdico dos meus princípios e valores, que me foram transmitidos do berço pelos meus pais, por nada nem ninguém! Quando me viram do avesso viro fero porque protego os meus com todas as minhas forças e quando me calcam ou o tentam fazer então estamos mesmo mal...o que me vale é o meu sexto sentido apurado que me permite detetar à distância esses seres desprezíveis que apenas se alimentam pela infelicidade dos outros porque são ocos e negros por dentro, sem vida própria...mas a justiça divina pode tardar mas nunca falha!

O meu lema tem sido "viver um dia de cada vez", aproveitando cada momento de felicidade e cada dia que passa, sempre com os olhos bem abertos e os pés bem ligeiros! Mesmo em dias de neblina há sempre uma luz bem lá no fundo do tunel...temos é que ter o coração aberto para a detetar e seguir o nosso caminho!

Vivam e deixem viver!
Façam por ser felizes!
Amem-se mais...critiquem menos!
Deêm graças a Deus todos os dias!
Digam sempre o que pensam e sentem sem medo de represálias!
Sejam vocês próprios, sem máscaras, sejam livres de pensamento e alma!






Comentários

Mensagens populares deste blogue

Marcas portuguesas de roupa, acessórios, calçado e lingerie

Porque o que é Nacional é bom (este sempre foi um dos meus lemas, lutar e diovulgar aquilo que de melhor se faz no nosso país) andei a fazer uma pesquisa intensiva na internet e deparei me com todas estas marcas portuguesas, na sua maioria expandidas além-fronteiras. Grande parte já conhecia mas outras não e fiquei admirada pela qualidade e beleza das suas coleções. Claro que existem muitas mais mas o post já estava a ficar muito extenso e então selecionei apenas estas! Afinal nós somos muito bons no que fazemos...temos é deixar de lado aquela mentalidade de "coitadinhos" e arriscar, seguir em frente, sem nunca olhar para trás. Estas marcas são a prova disso mesmo. Resultaram do arrojo de pessoas como nós que tinham um sonho e lutaram por ele. Hoje são um caso de sucesso. Uma vénia e aplausos para todos os seus responsáveis. 
No topo das minhas preferências está a One, Lanidor, Salsa, Tiffosi, Parfois...fiquei surpreendida e completamente rendida à Sonne Butti, Scripta, Ria…

Feira de Artesanato de Vila do Conde 2016

Wonder Laces - mais um exemplo do que bem se faz em Portugal

Nasceu para dar uma nova vida às sapatilhas que temos em casa, desafiando - através de aplicações - a criatividade e o estilo pessoal de cada um, de uma forma simples e económica. Chama-se WONDER LACES e é a primeira empresa portuguesa a dar resposta a uma nova tendência de moda estilizada. A WONDER LACES tem à frente Madalena Ruão Garcez, fundadora e gestora da marca que criou em Março deste ano. A responsável explica que a ideia surgiu pelo facto de ser uma apaixonada pelo mundo da moda e que, após um estudo de mercado, descobriu que não havia, em Portugal, nenhuma marca que disponibilizasse aplicações para calçado: “Perante a nova tendência de moda com recurso a aplicações, percebemos que existia uma lacuna no mercado português, uma vez que, não existia nenhuma marca com acessórios para sapatilhas. A WONDER LACES surge com esta missão e com o intuito de dar uma nova vida, não só, às sapatilhas, mas também, ao calçado em geral, de uma forma criativa, prática e económica. Atacadores, …