Avançar para o conteúdo principal

A luta pela felicidade - parte 1




A Iris era uma rapariga como todas as outras que desde sempre sonhava em encontrar o seu príncipe encantado, montado num cavalo branco, pronto para a tornar na mulher mais feliz do mundo. Por vezes vivia num mundo cor-de-rosa, de utopia, cheio de sonhos para cumprir, alguns dos quais difíceis de conquistar, mas no fundo ela sabia que era uma guerreira, e, assim, ia vivendo a sua vida. Sonhava acordada, também é verdade, mas quem não o faz?
Na adolescência nunca deu importância aos chamados namoricos de escola, o seu grande objectivo era tirar boas notas e conseguir entrar na faculdade. Claro que teve um ou outro amigo colorido, os seus amores platónicos mas nada de sério porque tinha outras prioridades e, naquele altura, ainda era muito nova para pensar nessas coisas chatas como ter alguém sempre colado ao seu pé. Ela era rebelde, muito independente, sabia bem o que queria, facilmente conquistava amizades que ainda hoje perduram, mas sempre se sentiu num mundo à parte dos outros.

Comentários

  1. Não existe nada contra nos sentirmos num mundo à parte, desde que isso não se torne patológico, claro está. Identifico-me de alguma forma com esta história, podes crer, sempre fui rebelde, mas com consciência... bom verdade seja dita... ainda sou a mesma pessoa, embora mais velha. Beijinhos querida. :)

    ResponderEliminar
  2. assino por baixo querida...também eu sou assim...rebelde de forma consciente e num mundo à parte para bem da minha sanidade mental porque há muitas coisas nesta sociedade que me revoltam e sinto me impotente por nada poder fazer! Mas vivo a minha própria vida e posso dizer que sou muito feliz...afinal é isso que interessa :-) beijinhos linda*****

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Marcas portuguesas de roupa, acessórios, calçado e lingerie

Porque o que é Nacional é bom (este sempre foi um dos meus lemas, lutar e diovulgar aquilo que de melhor se faz no nosso país) andei a fazer uma pesquisa intensiva na internet e deparei me com todas estas marcas portuguesas, na sua maioria expandidas além-fronteiras. Grande parte já conhecia mas outras não e fiquei admirada pela qualidade e beleza das suas coleções. Claro que existem muitas mais mas o post já estava a ficar muito extenso e então selecionei apenas estas! Afinal nós somos muito bons no que fazemos...temos é deixar de lado aquela mentalidade de "coitadinhos" e arriscar, seguir em frente, sem nunca olhar para trás. Estas marcas são a prova disso mesmo. Resultaram do arrojo de pessoas como nós que tinham um sonho e lutaram por ele. Hoje são um caso de sucesso. Uma vénia e aplausos para todos os seus responsáveis. 
No topo das minhas preferências está a One, Lanidor, Salsa, Tiffosi, Parfois...fiquei surpreendida e completamente rendida à Sonne Butti, Scripta, Ria…

Feira de Artesanato de Vila do Conde 2016

Wonder Laces - mais um exemplo do que bem se faz em Portugal

Nasceu para dar uma nova vida às sapatilhas que temos em casa, desafiando - através de aplicações - a criatividade e o estilo pessoal de cada um, de uma forma simples e económica. Chama-se WONDER LACES e é a primeira empresa portuguesa a dar resposta a uma nova tendência de moda estilizada. A WONDER LACES tem à frente Madalena Ruão Garcez, fundadora e gestora da marca que criou em Março deste ano. A responsável explica que a ideia surgiu pelo facto de ser uma apaixonada pelo mundo da moda e que, após um estudo de mercado, descobriu que não havia, em Portugal, nenhuma marca que disponibilizasse aplicações para calçado: “Perante a nova tendência de moda com recurso a aplicações, percebemos que existia uma lacuna no mercado português, uma vez que, não existia nenhuma marca com acessórios para sapatilhas. A WONDER LACES surge com esta missão e com o intuito de dar uma nova vida, não só, às sapatilhas, mas também, ao calçado em geral, de uma forma criativa, prática e económica. Atacadores, …