Avançar para o conteúdo principal

Vivemos num país do terceiro mundo

Desde o início do ano que estou perplexa e muito revoltada perante o verdadeiro caos instalado nas urgências do nosso país. No espaço de pouco mais de um mês faleceram cerca de 700...sim 700....utentes nas salas de espera enquanto aguardavam atendimento médico. Como é que isto é possível? Mas estamos num país do terceiro mundo? Para onde é que vão os nossos descontos? Este ministro Paulo Macedo se tivesse o mínimo de vergonha na cara já há muito que se teria demitido perante a incompetência demonstrada pelo seu Ministério desde que entrou em funções.

Acabaram por completo com o Sistema Nacional de Saúde. Se és rico podes ir a um privado onde és bem tratado, se és pobre e tens o azar de ficar doente corres o risco de ter o mesmo fim daquelas pessoas que já não estão entre nós. Mas tudo isto é feito com um propósito...querem privatizar tudo...e permitir que os grandes grupos comecem a gerir os hospitais até aqui públicos.

Tudo começou com o pagamento das taxas moderadores, de simples exames, etc...até que se transformou neste cenário hediondo....assisti com profunda tristeza a imagens captadas nos corredores dos principais hospitais portugueses...uns sentados em cadeiras...outros em macas...uma idosa a pedir por comida porque estava com fome...outra que caiu da maca....uma confusão onde era tudo ao molhe e fé em Deus.



A culpa não é dos médicos nem dos enfermeiros porque estes profissionais de saúde fazem o que podem perante tais circunstâncias...os grandes culpados são os que nos desgovernam...eles sim deviam arranjar um solução para esta falta de tudo, sobretudo de sensibilidade e consciência...a vida humana não tem preço e todos temos direito a ser tratados condignamente. Não se admite isto! BASTA! É mau demais para ser verdade...coitado de quem cai numa cama, neste caso numa cama de um hospital....e coitadas das famílias que por não terem posses nem seguros de saúde têm  de recorrer a este sistema de saúde que já rebentou pelas costuras.

E, agora, as consequências? Quem vai pagar por isto? Pena dos que já partiram...e a juntar a isto temos agora o caso dos doentes com Hepatite C...diz o Passos que é dever do Estado ajudar as pessoas mas que isso não pode ser feito a qualquer custo...O quê? Repita lá outra vez....A vida humana não tem preço meu caro!!!!! Queria ver se fosse um familiar seu...aí já devia mudar o seu discurso....

O meu conselho para o Governo - peguem nas malas e emigrem para Marte!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Marcas portuguesas de roupa, acessórios, calçado e lingerie

Porque o que é Nacional é bom (este sempre foi um dos meus lemas, lutar e diovulgar aquilo que de melhor se faz no nosso país) andei a fazer uma pesquisa intensiva na internet e deparei me com todas estas marcas portuguesas, na sua maioria expandidas além-fronteiras. Grande parte já conhecia mas outras não e fiquei admirada pela qualidade e beleza das suas coleções. Claro que existem muitas mais mas o post já estava a ficar muito extenso e então selecionei apenas estas! Afinal nós somos muito bons no que fazemos...temos é deixar de lado aquela mentalidade de "coitadinhos" e arriscar, seguir em frente, sem nunca olhar para trás. Estas marcas são a prova disso mesmo. Resultaram do arrojo de pessoas como nós que tinham um sonho e lutaram por ele. Hoje são um caso de sucesso. Uma vénia e aplausos para todos os seus responsáveis. 
No topo das minhas preferências está a One, Lanidor, Salsa, Tiffosi, Parfois...fiquei surpreendida e completamente rendida à Sonne Butti, Scripta, Ria…

Feira de Artesanato de Vila do Conde 2016

Wonder Laces - mais um exemplo do que bem se faz em Portugal

Nasceu para dar uma nova vida às sapatilhas que temos em casa, desafiando - através de aplicações - a criatividade e o estilo pessoal de cada um, de uma forma simples e económica. Chama-se WONDER LACES e é a primeira empresa portuguesa a dar resposta a uma nova tendência de moda estilizada. A WONDER LACES tem à frente Madalena Ruão Garcez, fundadora e gestora da marca que criou em Março deste ano. A responsável explica que a ideia surgiu pelo facto de ser uma apaixonada pelo mundo da moda e que, após um estudo de mercado, descobriu que não havia, em Portugal, nenhuma marca que disponibilizasse aplicações para calçado: “Perante a nova tendência de moda com recurso a aplicações, percebemos que existia uma lacuna no mercado português, uma vez que, não existia nenhuma marca com acessórios para sapatilhas. A WONDER LACES surge com esta missão e com o intuito de dar uma nova vida, não só, às sapatilhas, mas também, ao calçado em geral, de uma forma criativa, prática e económica. Atacadores, …