sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Suspiros...



No silêncio da noite

a alma fica em paz

os olhos se fecham

cansados do tanto faz.


O pensamento viaja

sem destino traçado

tudo surge ao acaso

nada está marcado.


Sentada no jardim

aprecio o intenso luar

peço a luz divina

força para lutar


Nesta selva diária

o silêncio é letal

mas a única solução

para lidar com o mal


Todos se comem vivos

arrotando santidade

são seres moribundos

veneram a vaidade


Na pele de um cordeiro

disfarçam a sua verdade

mostram o que não são

descobre se a falsidade


Há os justos e corretos

que ainda estendem a mão

esses temos de conservar

com a força do coração


Susana Cardoso

20 de outubro de 2016

Sem comentários:

Enviar um comentário

AQVA, dermacosméticos com água termal portuguesa

Tal como acontece com outras instâncias termais internacionais - de que são exemplo a Avene, Vichy, La Roche Posay e a Uriage - também as T...