Avançar para o conteúdo principal

Carta aberta a quem nos desgoverna!

Aos 34 anos finalmente tive a percepção de que a minha vida profissional sempre foi um engano. Não para mim que estou bem ciente das minhas capacidades e, felizmente, vou fazendo aquilo que gosto e para o qual me formei, mas para o sistema porque metade do que ganho vai para o Governo.
Ora bem vamos começar pelo início. Licenciada em Comunicação Social pela grande e saudosa Escola Superior de Jornalismo, no Porto, e a trabalhar desde os 19 anos...sim fui trabalhadora-estudante e fiz das tripas coração para passar sempre de alto, sem nunca deixar nenhuma cadeira para trás, passei 16 anos da minha vida a estudar para obter um diploma, pelo qual na altura tive de pagar 30 contos. Fiz um estágio de três meses numa rádio local (que adorei e ficou sempre aquele bichinho da rádio) mas como gostava mesmo da imprensa escrita resolvi optar pela proposta de um jornal e, há 13 anos que lá estou...mas sempre a recibos verdes.
Não sei o que é ter um subsídio de férias, um subsídio de Natal....paga todos os meses do meu bolso mais de 124 euros para a Segurança Social e...pasmem-se...não posso ficar doente porque não tenho direito a baixa médica. Ou melhor só ao fim de um mês sem trabalhar (mas durante esse mês tenho de pagar a prestação da Segurança Social mesmo sem receber) é que começo a receber da baixa. Receber não...porque ao fim de um mês sou logo chamada a uma junta médica que, mesmo que o problema seja grave, logo dão alta. Acham isto justo? Eu não...acho uma tremenda injustiça ter de pagar do MEU bolso esse valor elevado e, depois, não usufruir dos mesmos direitos de um trabalhador por conta de outrém. É que eu fui obrigada a registar-me como empresário (de meia tigela) nas Finanças para passar os recibos verdes e devem pensar que ando a nadar em dinheiro. Não meus caros Governantes...metade do que eu ganho todos os meses vai para o Estado, serve para pagar rendimentos mínimos a pessoas com bons corpos para trabalhar mas que se encostam a esses apoios para não fazer puto nesta vida! Todos os meses vocês ficam-me com mais de 300 euros do meu ordenado...por isso precariedade mais forte do que esta eu não encontro. Aliás acho que já devia ter direito a uma estátua ou qualquer coisa do género em frente à AR...a empresária da tanga há 13 anos a recibos verdes sem quaisquer apoios e só descontos e mais descontos a fazer do seu próprio bolso...ah e não se esqueçam do que tive de lutar para obter a minha licenciatura em quatro anos super desgastantes.
Bem e o que fazer ao meu diploma? Boa pergunta! Até agora não me serviu para nada porque, por exemplo, se estivesse a viver em França há um tecto minimo estipulado em 1500 euros para quem for licenciado...nenhuma empresa ou patrão pode pagar menos do que isso a um licenciado. Em Portugal? É a república das bananas e o salve-se quem puder. Aqui trabalha-se para sobreviver e não ao contrário! É uma tristeza o estado a que chegou este país durante uma legislatura do mais ridículo que vi até hoje. Aliás, muito pior do que no periodo da ditadura salazarista! Vejam lá os constante atropelos que tentam fazer ao que está instituído na Constituição Portuguesa mas felizmente ainda há quem os detenha e dê um murro na mesa.
Sabem? Estou fartaaa de cortes e mais cortes...de apertar a merda do cinto...de trabalhar que nem negra porque como não posso só viver da minha profissão também faço artesanato, vendo artigos na net, sou revendedora Oriflame e Yves Rocher e ainda faço limpezas em casas....
Estou pelas pontas do cabelo com quem nos desgoverna e o meu pensamento é só um: quando acabará este pesadelo? Eu quero ir para a ilha e não voltar mais para cá....Portugal o que fizeram de ti?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Marcas portuguesas de roupa, acessórios, calçado e lingerie

Porque o que é Nacional é bom (este sempre foi um dos meus lemas, lutar e diovulgar aquilo que de melhor se faz no nosso país) andei a fazer uma pesquisa intensiva na internet e deparei me com todas estas marcas portuguesas, na sua maioria expandidas além-fronteiras. Grande parte já conhecia mas outras não e fiquei admirada pela qualidade e beleza das suas coleções. Claro que existem muitas mais mas o post já estava a ficar muito extenso e então selecionei apenas estas! Afinal nós somos muito bons no que fazemos...temos é deixar de lado aquela mentalidade de "coitadinhos" e arriscar, seguir em frente, sem nunca olhar para trás. Estas marcas são a prova disso mesmo. Resultaram do arrojo de pessoas como nós que tinham um sonho e lutaram por ele. Hoje são um caso de sucesso. Uma vénia e aplausos para todos os seus responsáveis. 
No topo das minhas preferências está a One, Lanidor, Salsa, Tiffosi, Parfois...fiquei surpreendida e completamente rendida à Sonne Butti, Scripta, Ria…

Feira de Artesanato de Vila do Conde 2016

Wonder Laces - mais um exemplo do que bem se faz em Portugal

Nasceu para dar uma nova vida às sapatilhas que temos em casa, desafiando - através de aplicações - a criatividade e o estilo pessoal de cada um, de uma forma simples e económica. Chama-se WONDER LACES e é a primeira empresa portuguesa a dar resposta a uma nova tendência de moda estilizada. A WONDER LACES tem à frente Madalena Ruão Garcez, fundadora e gestora da marca que criou em Março deste ano. A responsável explica que a ideia surgiu pelo facto de ser uma apaixonada pelo mundo da moda e que, após um estudo de mercado, descobriu que não havia, em Portugal, nenhuma marca que disponibilizasse aplicações para calçado: “Perante a nova tendência de moda com recurso a aplicações, percebemos que existia uma lacuna no mercado português, uma vez que, não existia nenhuma marca com acessórios para sapatilhas. A WONDER LACES surge com esta missão e com o intuito de dar uma nova vida, não só, às sapatilhas, mas também, ao calçado em geral, de uma forma criativa, prática e económica. Atacadores, …